quarta-feira, 18 de março de 2009

Um furacão chamado Clodovil

URL: http://congressoemfoco.ig.com.br/Noticia.aspx?id=26883



Agência Câmara

Edson Sardinha

“Meu nome você sabe. É Clodovil. O que você não sabe é o que pretendo com essa minha candidatura a deputado federal: Brasília nunca mais será a mesma. Vocês verão”.  A promessa feita na campanha eleitoral de 2006 pode não ter se concretizado, mas o estilista e apresentador de TV Clodovil Hernandes soube destilar como poucos irreverência e deboche nos dois anos em que esteve na Câmara.
 
Nesse período, o deputado trocou o PTC pelo PR, escapou de um processo de cassação por infidelidade partidária, apresentou 17 proposições, fez 14 pronunciamentos em plenário e comprou briga com a bancada feminina e o movimento gay. Os principais embates de Clodovil no Congresso ganharam os holofotes das TVs e se propagaram na velocidade da internet, sobretudo no Youtube.
 
Um dia após a morte do deputado, vítima de complicações de um acidente vascular cerebral (AVC), o Congresso em Foco apresenta uma pequena seleção de vídeos que misturam humor e polêmica, protagonizados por Clodovil desde que o artista decidiu trocar os camarins pelo Plenário.

“24 já era”

Clodovil começou a fazer barulho na Câmara antes mesmo da eleição. Primeiro parlamentar assumidamente homossexual com cadeira no Legislativo federal, ele usou e abusou das frases de duplo sentido durante sua campanha. O resultado deu certo: os 493.951 votos que recebeu fizeram dele o terceiro deputado mais votado do país em números absolutos.
 
“3611 é o meu número, vocês sabem disso. Por que eu escolhi o 11? Meu amor, 24 já era. Agora é um atrás do outro”, dizia, antes de dar uma risada debochada, em um de seus quadros no horário eleitoral (acesse o vídeo).
 
Em outra gravação de campanha, Clodovil prometia não fugir ao estilo bateu-levou, que o tornou figura não grata em algumas das principais emissoras de TV do país. “Esta figura bem educada que verbaliza direito, não pensem que sou passivo. Pisa no meu pé pra ver o que acontece. Não tenho talento algum pra prometer nada, mas tenho talento pra denunciar (veja).
 
Na semana em que tomou posse na Câmara, Clodovil causou alvoroço no plenário ao fazer seu primeiro pronunciamento. Foi no dia 6 de fevereiro de 2007. Tomou da palavra para chamar a atenção dos colegas que faziam barulho enquanto ele discursava.


Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr
Clodovil: “Não tenho orgulho nenhum de ser gay. Tenho orgulho de ser quem eu sou"

 
“Aqui parece um mercado”
 
“Eu não sei o que é decoro, com um barulho destes enquanto um deputado fala. Eu não sei o que é decoro, porque aqui parece um mercado! Nós representamos o país! Não entendo por que há tanto barulho enquanto um orador está falando. Nem na televisão, que é popular, fazem isso.”
 
Em seguida, recebeu as boas-vindas de um entusiasmado Paulo Maluf (PP-SP), de volta à Câmara após duas décadas: “Vossa Excelência não olha para o telespectador para tentar agradá-lo com aquilo que ele quer ouvir. Com sua argumentação, diz com sinceridade o que pensa”.
 
Clodovil foi curto e grosso no agradecimento ao colega paulista: “Muito obrigado, deputado Paulo Maluf. Queria que todos soubessem que sou uma pessoa muito conhecida no país graças ao meu trabalho. Não sou famoso por atitudes desonradas, graças a Deus”, devolveu (confira).
 
Clodovil x Cida Diogo
 
Em abril de seu primeiro ano de mandato, Clodovil despertou a ira da bancada feminina na Câmara. Primeiro, declarou que havia desistido de criar vestidos para mulheres porque elas se tornaram "vulgares, ordinárias e cheias de silicone". “Eu adoro mulher. Mas as mulheres de hoje estão ordinárias, sem categoria, são mulheres que perderam a referência da dignidade, mulheres que trabalham deitadas e descansam em pé”, disparou.
 
Irritada com a declaração, a deputada Cida Diogo (PT-RJ) corria atrás de assinaturas para entrar com uma representação contra Clodovil quando foi repreendida pelo próprio deputado. Ele disse à petista que ela não deveria se sentir atingida por sua declaração, que era dirigida apenas às “mulheres bonitas”. Cida correu até a tribuna, aos prantos, para relatar ter sido agredida pelo colega.
 
O estilista não perdeu a pose. “Digamos que uma moça bonita se ofendesse porque ela pode se prostituir. Mas não é seu caso, porque a senhora é uma mulher feia. Vai ser senhora, família. Eu tenho culpa de ela ser feia?”, provocou o deputado, ao tentar se justificar (acesse).
 
Não satisfeito com a confusão, Clodovil sugeriu a Cida que fizesse uma cirurgia plástica. “Tenho obrigação de achá-la bonita, por quê? Ainda disse pra ela: ‘faça como eu, querida, vá para um hospital, se opere, se cuide. Tenho 70 anos, ninguém diz.” (confira)
 
Clodovil x movimento gay
 
Clodovil também se desentendeu com entidades do movimento gay. “Agora temos essa pretensa liberdade, que nos permite falar de todo mundo, mas que está se transformando em libertinagem. A essa parada gay eu nunca iria a ela”, discursou na presença da Frente Parlamentar da Livre Expressão Sexual e de representantes de entidades de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e transgêneros (LBGT). 
 
“Não tenho orgulho nenhum de ser gay. Tenho orgulho de ser quem eu sou. Optei pelo Leonardo Da Vinci ao invés de optar por travesti de rua. Não posso entender homens que se vestem de mulher, ficam lindos, procuram a beleza, Deus e se prostituem”, declarou, antes de receber uma sonora vaia do grupo de homossexuais para o qual discursava (veja).
 
Sigla tonta e preservativo
 
Em setembro de 2007, Clodovil trocou o PTC, partido pelo qual se elegeu, pelo PR. A insatisfação com a legenda já havia se revelado um ano antes. Em entrevista ao jornalista Paulo Henrique Amorim, no programa Tudo a Ver, da Record, Clodovil dizia, antes mesmo de tomar posse, que não havia fidelidade partidária no país e que as pequenas legendas existiam para se vender.
 
 “O partido nada mais é do que uma sigla tonta. Partidos pequenos estão aí pra serem vendidos em época de eleição”, afirmou, pouco antes de tomar posse. “Tudo aqui no Brasil é assim”, emendou,
 
O deputado, que prometia mudar a “história da política brasileira”, também brincou ao dizer que não sabia com o que havia gastado os R$ 26,70 declarados à Justiça eleitoral como despesas de campanha. “Acho que foi com preservativo. Não sei com que gastei”, disse, aos risos (acesse). 

Logo após se filiar ao PR, Clodovil afirmou que respeitaria as orientações do novo partido, mas que, nem por isso, deixaria de ter opinião própria.
 
“Não estou em um partido que tem alguma expressão para ser um idiota. Tenho vontade própria, tenho opinião própria para várias coisas. Mas algumas coisas serão feitas de comum acordo. Eu não tinha prática de olhar o painel, eu votava de acordo com minha cabeça. Agora vejo o que o partido propôs.”
 
Fechando a cortina
 
Declarando-se um homem de “várias vidas”, o parlamentar, estilista e apresentador de TV disse que se sentia um artista interpretando o papel de político. Na mesma entrevista, Clodovil lembrou da perda da mãe, exatamente 21 anos antes da data de sua filiação ao Partido da República, e deixou clara a visão que tinha sobre a morte.
 
“A morte não é o término da vida. Ao contrário. É o fechamento da cortina de um espetáculo que a gente chama de vida. Se você agiu bem, perfeitamente. Se agiu mal, você não poderá representar mais.” (confira)
 
Clodovil Hernandes saiu de cena ontem (17), aos 71 anos de idade, às 18h50, em Brasília.

Leia também:

Clodovil, primeiro parlamentar homossexual assumido

Ele veio para divertir, não para explicar

Postar um comentário