terça-feira, 30 de outubro de 2012

MEC sabia de irregularidades em contratos da gestão Haddad

URL: http://www.implicante.org/noticias/mec-sabia-de-irregularidades-em-contratos-da-gestao-haddad/


Órgão efetuou pagamentos a fornecedores suspeitos mesmo com parecer em contrário do próprio Ministério

Fernando Haddad e Malvina Tuttman Foto André Dusek AE MEC sabia de irregularidades em contratos da gestão Haddad

Reportagem da Folha de S. Paulo:

Apuração do MEC (Ministério da Educação) sobre a licitação aberta para resolver os problemas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) já apontava as irregularidades investigadas depois por Polícia Federal e TCU (Tribunal de Contas da União).

Mesmo sabendo dessas suspeitas, o Inep (instituto ligado ao ministério e responsável pelo Enem) fez pagamentos a duas das quatro empresas contratadas.

O caso ocorreu na gestão do candidato à Prefeitura de São Paulo Fernando Haddad (PT). O petista diz que foi ele que abriu a investigação e, depois, autorizou o envio das informações à Controladoria-Geral da União e ao TCU.

Os órgãos do MEC que apontaram problemas no contrato foram a Comissão de Auditoria Interna e a Procuradoria, que analisaram os contratos, assinados para fortalecer a segurança das provas do Enem e impedir vazamentos, como o de 2009.

O trabalho, concluído em dezembro de 2011, apontou indícios de sobrepreço, direcionamento e uso de documentos falsos na licitação. As suspeitas, como a Folharevelou, foram depois aprofundadas pela PF e pelo TCU.

A Procuradoria sugeriu que o Inep suspendesse todos os pagamentos enquanto as suspeitas não estivessem explicadas. Mas, num despacho de fevereiro deste ano, a então presidente do Inep, Malvina Tuttman, decidiu fazer os pagamentos a duas das contratadas –Malvina Tuttman diz que cumpriu todas as determinações dos órgãos do MEC e que os pagamentos foram feitos após as empresas aceitarem o parcelamento do valor devido.

Segundo o Inep, os pagamentos foram legais porque a auditoria interna indicava que os repasses de recursos à ATA e à DNA, duas da quatro empresas contratadas pela licitação, deveriam ser escalonados, e não cancelados.

O instituto diz que os equipamentos contratados foram “entregues, testados e adquiridos por preços compatíveis com os de mercado”. (DIMMI AMORA E FERNANDO MELLO)

(grifos nossos)

Comentário

A ex-presidente do Inep foi mantida no cargo por Haddad até a saída dele do MEC. Segundo informou em janeiro a colunista Christina Lemos, do “insuspeito” portal R7, as demissões na pasta foram adiadas até a posse de Mercadante para poupar de críticas o escolhido de Lula e Dilma para disputar a prefeitura de São Paulo.

Leia também:

  1. TCU encontra fraude em contrato do MEC na gestão Haddad
  2. Depois de culpar os cearenses, Haddad terá de explicar por que Enem também vazou em outros Estados
  3. Candidata deixa prova do Enem em branco e tira nota maior que a mínima
  4. Enem: Escola do CE antecipou questões da prova; MPF pede anulação do exame em todo o país
  5. Inep transfere a estudantes suas responsabilidades pelo Enem 2011
Postar um comentário