quarta-feira, 29 de junho de 2011

Mercadante sai em defesa de Ideli e se afunda ainda mais

URL: http://www.implicante.org/noticias/mercadante-sai-em-defesa-de-ideli-e-se-afunda-ainda-mais/


Na edição desta semana, Veja informa que outro ministro do governo Dilma também participou ativamente da trama arquitetada em 2006 para prejudicar a candidatura do tucano José Serra ao governo de São Paulo. De acordo com a publicação Ideli Salvati, atual ministra das Relações Institucionais, era parte importante do esquema. Teria sido ela quem procurou jornalistas para oferecer o falso dossiê contra Serra.
Leiam abaixo a notícia veiculada por Veja Online, complementamos a informação nos comentários.

Mercadante e Ideli seriam o "mentor" e a "mensageira" da farsa

 

O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, já deu início ao movimento para tentar livrar a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvati, das investigações a respeito do envolvimento dela no escândalo do Dossiê dos Aloprados. Mercadante foi o principal mentor da fabricação de um falso dossiê contra o tucano José Serra, em 2006. Em sua edição desta semana, VEJA revela que Ideli também esteve envolvida no caso, participando das negociações para a compra do falso dossiê. A ministra também tentou se defender nesta segunda, por meio de uma nota oficial.

Em entrevista ao jornal O Globo, Mercadante saiu em defesa da colega, utilizando-se da tradicional argumentação petista: tudo não passa de uma tentativa de atingir a nova ministra e o governo Dilma Rousseff.

Como mostra reportagem de VEJA, Ideli participou de uma reunião, em 4 de setembro de 2006, na qual ficou incumbida da tarefa de divulgar o falso dossiê contra Serra. Participaram do encontro, além de Ideli e Mercadante, o sindicalista Osvaldo Bargas, o petista Expedito Veloso – responsável por revelar o envolvimento do ministro na fraude –, e o ex-chefe de inteligência da campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o catarinense Jorge Lorenzetti.

Mercadante admitiu a participação de Ideli nessa reunião – mas negou que Lorenzetti – que chegou a ter a prisão decretada por envolvimento no caso – tenha participado do encontro. "O Lorenzetti nunca esteve no meu gabinete. E qual a razão para citar o Lorenzetti? Por que construíram essa mentira? Para tentar colocar a Ideli. Como Lorenzetti era de Santa Catarina, e como Ideli acabou de virar ministra, é uma forma de tentar envolver o governo Dilma que não tem nenhuma relação com esse episódio".

Na versão do ministro, a reunião teria servido para que Bargas e Veloso o alertassem que um depoimento no Conselho de Ética do Senado poderia envolver seu nome no escândalo da máfia dos sanguessugas. Mercadante afirmou que decidiu, então, conversar com Ideli para perguntar se deveria rebater as acusações também no Conselho de Ética – e ela afirmou-lhe que não.

Mudança de versão – Ideli Salvati emitiu uma nota em que nega ter participado das negociações para a divulgação do dossiê contra o tucano José Serra, em 2006. A petista se pronunciou depois que reportagem de VEJA mostrou como Ideli se encontrou com o então senador Aloizio Mercadante e outros envolvidos no episódio para discutir o assunto, poucos dias antes de o caso vir à tona.

Ideli, que havia dito a VEJA não ter se reunido com os aloprados Expedito Veloso e Oswaldo Bargas, agora omite os dois nomes em sua versão: não nega nem desmente. A petista também dissera não se lembrar de quando havia se reunido com Mercadante. Mas agora alega que esteve com ele em setembro de 2006: “Não participei de reuniões que tivessem como tema a elaboração de material contra o candidato ao governo do estado de São Paulo, José Serra, no ano de 2006. Na condição de líder da bancada do Partido dos Trabalhadores no Senado fui chamada ao gabinete do então líder do Governo, Aloizio Mercadante, para uma reunião em setembro do mesmo ano para tratar de um depoimento que seria dado ao Conselho de Ética do Senado”, diz o comunicado desta segunda-feira.

 

Comentário

Ideli divulgou nota na tarde desta segunda-feira onde tenta se defender das acusações publicadas por Veja. Em determinado momento escreve:

2 – Conforme declarou o ministro Aloísio Mercadante é falaciosa a tentativa de me envolver na participação da elaboração do suposto dossiê citado pela revista Veja;

Como é que é? Pra começo de conversa não há nada de “suposto” nessa história. Dois petistas foram presos portando R$ 1,7 milhão. Isso é fato, não “suposição”. Na apreensão a Polícia Federal encontrou ainda um DVD e fotos de candidatos tucanos. Outro indício claro da armação, portanto, é impossível sustentar que o dossiê não tenha existido. O melhor vem agora: ao se defender, Ideli alega que Mercadante a eximiu de qualquer participação no crime. Ou seja, se Mercadante afirma que Ideli não participou da farsa, é porque ele sabe quem participou. E agora ‘doutor’, como é que fica?

Não deixem de ler aqui, o texto que a equipe do Implicante preparou relembrando detalhes dessa história, desde o começo.

Leia também:

  1. Dossiê dos Aloprados: Mercadante e Quércia foram os mandantes, segundo petista envolvido
  2. Mercadante e os Aloprados: Outro petista confirma que PT montou falsos dossiês em 2006
  3. Mercadante diz que aloprados cometeram crime para “destruir a corrupção”
  4. A volta dos que não foram: depois de Delúbio, aloprado é reintegrado ao PT
  5. Mercadante e os Aloprados

Postar um comentário