segunda-feira, 27 de junho de 2011

"Capital tem 23% dos miseráveis de São Paulo" - Jornal da Tarde | Rede Nossa São Paulo

"Capital tem 23% dos miseráveis de São Paulo" - Jornal da Tarde
Compartilhe com seus amigos
Publicado em: 27/06/2011 - 11:21

DANIEL BRAMATTI

O mapa da miséria revelado recentemente pelo Censo 2010 coloca o Estado
de São Paulo em uma situação privilegiada: mais da metade dos
municípios paulistas têm, no máximo, 1% de sua população vivendo em
extrema pobreza, ou seja, em domicílios com renda média per capita de
até R$ 70 por mês.

Estão nessa situação de miséria praticamente erradicada nada menos que
363 dos 645 municípios paulistas, ou 56% do total. Apenas quatro
cidades, todas na região do Vale do Ribeira, perto da fronteira com o
Paraná, têm mais de 10% de seus moradores vivendo com R$ 70 por mês ou
menos – esse valor foi definido recentemente pelo governo como linha
oficial para medir o número de miseráveis no País.

Na capital paulista , o índice de miséria atinge apenas 0,9% da
população. Em termos proporcionais, é uma taxa praticamente
desprezível. Em números absolutos, porém, são 101 mil paulistanos, o
equivalente a quase três vezes o número de torcedores que, na última
semana, compraram ingressos para ver a final da Libertadores no Estádio
do Pacaembu.

Estão na cidade de São Paulo nada menos do que 23% dos 443 mil
miseráveis que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
identificou no Estado durante a realização do último Censo, no ano
passado.

Ranking paulista
A cidade campeã de miséria, em termos proporcionais, é Itaoca, com
13,7% da população com renda de até R$ 70. Mas é um lugarejo: os
miseráveis são apenas 442, segundo o Censo. A capital paulista, apesar
de seu índice inferior a 1%, tem 250 vezes mais moradores vivendo na
extrema pobreza, de acordo com o levantamento oficial.

Esse número poderia ser menor se a capital não tivesse uma das mais
baixas coberturas do Bolsa-Família, o principal programa social do
governo federal.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, o Bolsa-Família é pago
a apenas 41% do total de paulistanos que, por seu perfil de renda, se
enquadram nos critérios do programa. Nem todos, porém, foram
cadastrados pela Prefeitura, fato explorado pela bancada do PT na
Câmara Municipal. Em todo o Estado, segundo o ministério, cerca de 320
mil pessoas estão nessa situação. --
http://www.nossasaopaulo.org.br/portal/node/16410


--

Postar um comentário