terça-feira, 9 de julho de 2013

Por que os carros de hoje são todos iguais

URL: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1641


iguais.jpgPor mais que tentem, os próprios fabricantes passam aperto para tentar diferenciar seus carros dos de seus concorrentes.  A homogeneização do automóvel já está banalizada.  Todos os carros atuais são parecidos.  Como já disse, nunca fui muito entusiasta de carros e, exatamente por isso, só comecei a notar esse fenômeno nos últimos 12 meses.  E, ainda assim, pensei que estava apenas imaginando coisas.  Porém, algumas pessoas brincando com o Photoshop descobriram que, se você apenas trocar a grade frontal dos carros, é possível fazer uma BMW ficar igual a uma Kia e um Hyundai ficar idêntico a um Honda.  É tudo um só carro.

Realmente, tem de ter uma explicação para isso.  Fui procurar e descobri um vídeo feito pela CNET que enumera cinco motivos para os carros de hoje serem iguais: decretos para que a frente do carro seja mais alta para proteger pedestres, decretos que limitam a altura do carro para economizar combustível e uma traseira grande que contrabalance a frente grande.  Essa combinação fez com que tanto o pára-brisa quanto todas as janelas dos carros se tornassem irritantemente pequenas, o que afeta a visibilidade e acaba tornando os carros menos seguros para serem dirigidos.  Adicionalmente, o peitoril das janelas ficou mais alto, o que dá a claustrofóbica sensação de se estar dentro de um tanque.  Em outras palavras, uma histeria em relação à segurança e ao ambiente destruiu toda a estética dos carros.

Pouco importa que segurança e ecologia criem resultados contraditórios.  Quanto menor o consumo de combustível, mais leve e delicado tem de ser o carro e maior é a probabilidade de você morrer em um acidente.  As regulamentações que especificam um consumo máximo de combustível certamente já mataram muitas pessoas.  Similarmente, como princípio geral, quanto mais seguro for o carro, mais combustível ele irá consumir.  Enquanto isso, a própria gasolina vem sendo arruinada em decorrência de todas as misturas etílicas que o governo determina que devem ser acrescentadas, o que reduz a vida útil do motor.

Postar um comentário