quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Recém empossada, ministra Ana Arraes deve explicações sobre contrato suspeito

URL: http://www.implicante.org/noticias/recem-empossada-ministra-ana-arraes-deve-explicacoes-sobre-contrato-suspeito/


Quando assumiu o Tribunal de Contas da União (TCU), órgão que deveria fiscalizar e zelar pela contratos públicos, a agora ministra Ana Arraes (PSB-PE), mãe do governador Eduardo Campos (PSB), emitiu sinais claros que deixaria o rigor de lado na hora de analisar contratos suspeitos de irregularidade. Tudo para “preservar os interesses da sociedade”, claro.

Agora, quem deveria fiscalizar e identificar eventuais irregularidades nas contratações se vê obrigada a prestar esclarecimentos sobre, vejam vocês, contratações.

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, a ministra do TCU e seu filho, Eduardo Campos, já pagaram cerca de R$ 300 mil em verbas públicas a uma locadora de automóveis de uma filiada ao PSB.

O mais escabroso dessa história é que a empresa em questão, a BSB Locadora, não tem carros suficientes para cumprir seus contratos e tem como endereço uma sala fechada na periferia de Brasília. Abaixo reproduzimos um trecho da reportagem de Fernando Mello e Filipe Coutinho publicada na edição de hoje (27) da Folha de São Paulo:

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), e a mãe dele, a deputada federal Ana Arraes (PSB-PE), já pagaram cerca de R$ 300 mil em verbas públicas a uma locadora de automóveis de uma filiada ao PSB.
A BSB Locadora não tem carros suficientes para cumprir seus contratos, não possui site nem número na lista telefônica e tem como endereço uma sala fechada na periferia de Brasília.
Graças à mobilização feita pelo filho, Ana Arraes foi eleita na semana passada para o TCU (Tribunal de Contas da União), órgão que fiscaliza o uso de verba pública.
A relação de Campos e de Ana Arraes com a locadora extrapola os serviços fornecidos oferecidos pela empresa.
A sócia majoritária da BSB, Renata Ferreira, é filiada ao PSB -legenda presidida pelo governador.
Renata resolveu entrar no partido em outubro de 2009, uma semana depois de ter vencido uma licitação para fornecer automóveis para a representação do governo pernambucano em Brasília.
Renata também tem emprego, como terceirizada, no Ministério de Ciência e Tecnologia, que no governo Lula foi comandado pelo PSB -no primeiro mandato, foi dirigido pelo próprio Campos. 
O pai dela, Esmerino Ferreira, trabalha no gabinete de Ana Arraes desde 2007. Antes, foi o motorista de Campos entre 1998 e 2006.
No cabeçalho das mensagens enviadas pelo fax da casa da dona da locadora, não aparecem os nomes da empresa ou dos proprietários -mas o de “Eduardo Campos”.
A locadora foi criada em 21 de julho de 2008. Segundo um dos sócios, a empresa não tinha veículos no início e usava carros da família, por conta das dificuldades para obter financiamento.
Até que, no ano seguinte, ganhou o contrato do governo de Pernambuco.
Com um capital social de R$ 8 mil, a BSB Locadora já faturou mais de R$ 540 mil de verbas públicas.
A empresa recebeu R$ 210 mil do governo de Pernambuco na gestão de Campos, outros R$ 93 mil do gabinete de Ana Arraes, segundo dados oficiais dos dois órgãos.
Recebeu, ainda, R$ 40 mil do PSB nacional, de acordo com notas fiscais que a Folha obteve, de 2009.
(Grifos nossos)

A íntegra pode ser lida aqui (para assinantes).

Comentário:

É importante salientar que Ana Arraes não chegou ao TCU sozinha. Foi içada ao Tribunal de Contas com a colaboração de figuras importantes da oposição. Basta pesquisar no Google para conhecer alguns dos responsáveis.

Leia também:

  1. TCU: EBC firmou contrato milionário irregular. Filho de Franklin Martins era consultor da contratada…
  2. Ministra da Cultura autorizou sobrinha cantora a captar R$ 1,9 mi
  3. TV Brasil fecha OUTRO contrato com Nassif sem licitação (no total, já são R$ 2,1 milhões)
  4. Cinco ministros vão depor na Câmara sobre corrupção
  5. Ministro desqualifica estudo sobre atraso nos aeroportos

Postar um comentário