segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Um giro por Havana

URL: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1793


capitool-in-Havana.jpgEm 1958, Cuba tinha uma renda per capita maior do que a de metade dos países da Europa, a menor taxa de inflação do Ocidente e uma classe média maior do que a da Suíça.  Isso era perfeitamente observável no esplendor da antiga Havana. 

Mas todo esse esplendor já se foi. Havana é hoje parecida com uma cidade que foi destruída por um terremoto e cuja população foi forçada a sobreviver em meio aos escombros enquanto a ajuda não chega.  É como Beirute, mas sem ter passado por uma guerra civil para ser destruída.

Os terríveis estragos feitos por Fidel serão duradouros e irão sobreviver por muito tempo após o fim do seu regime.  Mas, enquanto o regime não cai, Havana serve como um pavoroso alerta ao mundo contra os perigos de ideologias erradas e de monomaníacos que genuinamente acreditam conhecer uma teoria capaz de corrigir o futuro e o mundo.
Postar um comentário