terça-feira, 13 de agosto de 2013

Petrobras: o retrato da destruição – segunda parte

URL: http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/2013/08/13/petrobras-o-retrato-da-destruicao-segunda-parte/


Ainda na linha de que uma imagem pode valer mais do que mil palavras, segue novo gráfico que demonstra, inequivocamente, a enorme destruição de valor na Petrobras desde o fim do governo Lula e começo do governo Dilma.

Fonte: Bloomberg

No primeiro ano de gestão da presidente Dilma, a Petrobras tinha um valor de mercado entre 350 e 400 bilhões de reais. Em contrapartida, seu endividamento líquido (descontada a posição em caixa) era de apenas 50 bilhões de reais. Ao longo desses últimos anos, porém, o valor de mercado foi caindo, enquanto a dívida não parava de subir.

A fotografia atual é bem diferente daquela inicial: hoje, a estatal possui um valor de mercado próximo de 200 bilhões de reais, quase a metade do valor em 2010. Por outro lado, a dívida líquida já quase alcança o mesmo valor. A Petrobras vale cada vez menos, e deve cada vez mais. Até quando ela aguenta nessa toada?

Postar um comentário