segunda-feira, 29 de abril de 2013

Roger Ver: “For the first time in history, anyone can transact with anyone else, anywhere in the world”

URL: http://bitcoinmagazine.com/roger-ver-bitcoin-is-different/


Roger Ver is an entrepreneur, investor and Bitcoin Pioneer. He has bet a lot of intellectual and monetary capital in the Bitcoin revolution, which he supports not just because it is a technological advance in our financial infrastructure, but also because of the new hope for human liberty that it represents.

 

Bitcoin Magazine: How and when did you first hear about Bitcoin?

Roger Ver: I first heard about Bitcoin in late 2010 on the www.freetalklive.com radio show / podcast.

 

BM:Why is Bitcoin important? Why is it different?

RV: Bitcoin is different from any other payment form in the history of mankind.

For the first time in history, anyone can transact with anyone else, anywhere in the world,  and it is impossible for a 3rd party to interfere in any way.

 

BM:What makes you think that it will catch on?

RV: All throughout history,  people (thieves, kings, tax collectors) not directly involved in a transaction, have forcibly interfered in other people’s transactions.  Bitcoin now gives everyone on the planet the option of removing themselves from the arbitrary control of others.

 

BM:What makes you think that it will last? Is it really that resilient?

RV: The only reason Bitcoin wouldn’t last would be because something even better comes along, so all the proponents of individual liberty still win.   If Bittorrent is any example,  the Bitcoin network really is that resilient.

 

BM:Is Bitcoin really censorship-resistant? Can it thrive in, for example, China? Argentina?

RV: It can thrive anywhere in the world with the internet.  That currently includes China and Argentina. Even non-Bitcoin users would be rioting in the street if a government tried to cut them off from the internet.

 

BM:Can Bitcoin scale? What will it need to support 100 million users?

RV: Bitcoin can scale, but will surely experience some growing pains along the way. As it scales,  there will be more and more people with a vested interest to help fix any issues that arise.

 

BM:How will Bitcoin change the world? Describe your best-case scenario for Bitcoin 10-20 years from now.

RV: Governments currently pay for their actions through theft (taxation), and counterfeiting (inflation).  Bitcoin will make taxation much more difficult,  and inflation impossible. More people were killed in the 20th century by their own governments than by all wars combined. The odds of you being murdered by a government, not including wars, is higher than your chance of dying from diabetes, alcohol, tobacco, traffic accidents, homicides, and just about all other single medical illnesses.

In my ideal world, Bitcoin will bring an end to the nation state, allowing people across the world to deal with each other on a voluntary basis.

 

BM:Do you consider Property a Natural Right (like Free Speech)? Or is it just an artificial legal construct? What about IP?

RV: I believe that property is a natural right that stems from each individual’s ownership of their own body.

People own property when they mix their labor with something that was previously unowned,  or voluntarily trade with others for existing property.   I was persuaded by Murray Rothbard‘s arguments regarding IP.  Patents are an illegitimate grant of monopoly privilege by the state.  Copyright is a perfectly valid contractual agreement.

 

BM:Medium of Exchange or Store of Value? If you had to choose just one of these two functions, which would you rather have Bitcoin be optimized for? 

RV: In most circumstances these have traditionally been two sides of the same coin.  Bitcoin is currently better as a medium of exchange,  but with time, I believe it will also become a store of value.

 

BM:Are you worried about competition? Do you think that Bitcoin will be replaced by something better?

RV: I hope Bitcoin is replaced by something even better for the same reason I hope my computer will be replaced by a better model in the future.  Things being replaced by something better is what makes the world a better place.

 

BM:What do you think will be the first big Bitcoin fork that really divides the community? Which side will you choose?

RV: I don’t know what will cause the first big fork,  but I am sure that I will take the side that supports individual rights.

 

BM:Can Bitcoin be hijacked and mutate into Fedcoin? can it be centrally controlled?

RV: I think this is unlikely since people can now voluntarily chose to use whatever crypto currency they want.

 

BM:What Bitcoin projects are you currently involved in?

RV: I’ve invested over $1M USD of my own money into over a dozen Bitcoin related startups.

The most well known would be Bitcoinstore.com, Bitinstant.com, Bitpay.com, Blockchain.info, Coinlab.com, Bitcoinfoundation.org. If you have a great Bitcoin related idea that needs funding,  please contact me!

The post Roger Ver: “For the first time in history, anyone can transact with anyone else, anywhere in the world” appeared first on Bitcoin Magazine.

domingo, 28 de abril de 2013

As Duas Grandes Contribuições de Karl Marx

Charge de sponholz (28/04)

Pay With Bits Wants To Be The Square For Bitcoin

URL: http://feedproxy.google.com/~r/Techcrunch/~3/FBAov8UKJwc/


Bits

Considering the gold rush around peer-to-peer currency Bitcoin, it’s not surprising that one of the hackers at the Disrupt NY hackathon created an application around the currency. Pay With Bits was to be a Square for Bitcoin. The startup essentially allows Bitcoins to be transfered between parties via their mobile phones.

The idea is the brainchild of Brad Smith, director of engineering at RadiumOne. Smith sold his startup Focal Labs, which launched at TechCrunch50, to RadiumOne in 2011.

He explains that he wanted to find a way to make Bitcoin accesible to the masses. You simply enter your Bitcoin account information on Pay With Bits, and you can send money via text message to any other party who also has entered their info on Pay With Bits. Pay With bits serves as a node on Bitcoin network, Smith adds.

Smith says that using Pay With Bits, Bitcoins can be transferred internationally in a secure way within minutes. Because there are no interchange charges from a bank or credit card, Pay With Bits only incurs fees that are a fraction of a percent. In the future, Smith wants to add NFC capabilities as well.

Pay With Bits adds to the growing number of startups in the Bitcoin world, including BitPay and Bitinstant.


Folha de S.Paulo - Educação - Cotistas têm desempenho inferior entre universitários - 28/04/2013

http://cur.lv/t47s

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

sábado, 27 de abril de 2013

Empresas migram para o Paraguai

URL: http://economia.estadao.com.br/noticias/economia+geral,empresas-migram-para-o-paraguai,152100,0.htm


As empresas brasileiras estão cruzando a fronteira rumo ao Paraguai em busca de mão de obra barata e menos impostos. Quase 30 companhias já fizeram esse caminho, instalando filiais no vizinho, estimulando seus fornecedores a investir ou terceirizando parte de sua produção para manufatureiros

Realidade Americana - Preço de imóveis

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Decisão permite que condutor culpe Prefeitura de Ribeirão por 'flanelinhas'

URL: http://g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/noticia/2013/04/decisao-permite-que-condutor-culpe-prefeitura-de-ribeirao-por-flanelinhas.html


Decisão permite que condutor culpe Prefeitura de Ribeirão por
Justiça prevê multa de R$ 1 mil por ocorrência registrada em vias públicas. Administração municipal ainda pode recorrer da sentença.

What Americans can learn from the flawed battle against socialized medicine in Canada

URL: http://feedproxy.google.com/~r/aynrand/tSIG/~3/N6Co6UwiLU4/


By

2076448655_6e428847e7_oIn my recent interview with Sally Pipes about Canadian health care, we discussed how Canada succumbed to socialized medicine. According to Ms. Pipes, calls for government-provided health care began in the province of Saskatchewan in the 1940s. The discussion brought to mind Ayn Rand's own comments on the events in Saskatchewan, which she gave in a talk to doctors in 1963 ("How Not to Fight Against Socialized Medicine"). Her comments remain applicable to the fight for freedom in medicine in America today.

The day socialized medicine went into effect in Saskatchewan in 1962, the doctors in the province went on strike. But though "right [was] on their side," and though they had the "overwhelming sympathy and support of the Canadian people," the doctors quickly surrendered. "They were defeated," according to Rand, "not by the power of the socialists, but by the gaping holes in their own ideological armor."

Said Rand:

[The doctors] had been fighting, properly, in the name of individual rights, against the enslavement of medicine by totalitarian-statist controls. Then, under the pressure of the usual intellectual lynching, under the hysterical, collectivist charges of "anti-social selfishness and greed," they made a shocking change in their stand. Declaring, in effect, that their rebellion was not directed against socialized medicine as such, but against the high-handed, arbitrary manner in which the government had put it over, their spokesmen began to argue that the government plan did not represent "the will of the people." The ideological kiss of death was a statement by Dr. Dalgleish, the strikers' leader, who declared that if a plebiscite were taken and the people voted for it, the doctors would accept socialized medicine.

Could they deserve to win, after that? They could not and did not.

Consider the full meaning of Dr. Dalgleish's statement. It meant the total repudiation of individual rights and the acceptance of unlimited majority rule, of the collectivist doctrine that the people's vote may dispose of an individual in any way it pleases. Instead of a battle for the integrity of a doctor's professional judgment and practice, it became a battle over who should violate his integrity. Instead of a battle against the enslavement of medicine, it became a battle over who should enslave it. Instead of a battle for freedom, it became a battle over a choice of masters. Instead of a moral crusade, it became a petty quarrel over political technicalities. . .

[T]he doctors' surrender took place five days after Dr. Dalgleish's statement.

The text of the agreement reached between the doctors and the government, contained the following horrifying sentence: "The doctors fear that if the government becomes their only source of income they are in danger of becoming servants of the state and not servants of their patients." [Italics are Rand's]

According to Rand, such a defense actually works in the favor of the proponents of socialized medicine. "[I]f 'service' to the [patients] is our primary goal," she pointed out, "why should these masters pay us or grant us any rights? Why shouldn't they dictate the terms and conditions of our work?"

What the doctors in Saskatchewan were missing was the confident moral assertion of their own rights. Rand put it as such:

The pursuit of his own productive career is—and, morally, should be—the primary goal of a doctor's work, as it is the primary goal of any self-respecting, productive man. But there is no clash of interests among rational men in a free society and there is no clash of interests between doctors and patients. In pursuing his own career, a doctor does have to do his best for the welfare of his patients. This relationship, however, cannot be reversed: one cannot sacrifice the doctor's interests, desires and freedom to whatever the patients (or their politicians) might deem to be their own "welfare. . . ."

Many doctors know this, but are afraid to assert their rights, because they dare not challenge the morality of altruism, neither in the public’s mind nor in their own.

Such moral confidence continues to be largely absent in the health care debate today. For example, consider this statement by Docs 4 Patient Care (a doctors' organization committed to fighting Obamacare), found in their "prescription for reform":

Docs 4 Patient Care is an organization of physicians dedicated to the preservation of the doctor-patient relationship. . . .Our primary concern is the health and well-being of our patients. An additional concern is the health and well-being of our country—physically and financially.

Those are certainly legitimate concerns, but what about the concern that government intrusion in medicine violates a doctor's right to practice medicine as he sees fit? There is no mention of this in D4PC's document (despite the good work they otherwise do). The fight for freedom in medicine would certainly be strengthened with its inclusion.

Photo Credit: abdallahh via Compfight cc

The post What Americans can learn from the flawed battle against socialized medicine in Canada appeared first on Laissez Faire.

Olhar Digital: The Pirate Bay começa a aceitar doações em BitCoins

Página já levantou equivalente a US$ 1550 em apenas um dia de uso das
BitCoins --
http://olhardigital.uol.com.br/negocios/digital_news/noticias/the-pirate-bay-comeca-a-aceitar-doacoes-em-bitcoins


--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Bitcoin: the Berlin streets where you can shop with virtual money | Technology | guardian.co.uk

The digital currency is rising in popularity among traders in the
rebellious Kreuzberg area of Germany's capital --
http://www.guardian.co.uk/technology/2013/apr/26/bitcoins-gain-currency-in-berlin


--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Especialista mostra como pais podem ensinar o valor do dinheiro às crianças

URL: http://ucho.info/especialista-mostra-como-pais-podem-ensinar-o-valor-do-dinheiro-as-criancas


Hora certa – Um dos desafios dos pais na educação dos filhos é com relação ao dinheiro. Como mostrar aos pequenos o valor do "dindin"? Como introduzir o assunto no cotidiano das crianças? Quando é hora de começar a dar a mesada? O lanche da escola deve ser pago com a mesada? Desempenho escolar e [...]

Individualismo versus racismo

URL: http://www.ordemlivre.org/2013/04/individualismo-versus-racismo-2/


“A longo prazo, a única forma de superar o racismo é através da filosofia do individualismo, a qual tenho promovido por toda a minha vida.” (Ron Paul)

Em seu mais famoso discurso, Martin Luther King Jr. fala do sonho de viver num país onde as pessoas deixem de ser julgadas pela cor da pele e passem a ser julgadas pelo seu caráter. MLK ressalta a importância das “magníficas palavras” contidas na Declaração de Independência Americana, que defende o direito inalienável à liberdade para todos os indivíduos. Essa é exatamente a postura de Ron Paul, assim como a de vários libertários que rejeitam qualquer tipo de mentalidade coletivista. Como diz Ron Paul em The Revolution, não temos direitos porque pertencemos a algum grupo, mas porque somos indivíduos. E é como indivíduos que devemos julgar uns aos outros.

O racismo nada mais é do que um tipo de coletivismo que enxerga a cor da pele como a característica predominante em cada um. Ron Paul afirma: “O racismo é uma forma particularmente odiosa de coletivismo m que os indivíduos são tratados não por seus méritos, mas pela identidade de grupo”. Para Ron Paul, a filosofia do individualismo é o maior desafio intelectual que o racismo já enfrentou. Por outro lado, a politização do tema pode ser um empecilho para o término desta “desordem do coração”, como Ron Paul chama o racismo. Os “pais fundadores” dos Estados Unidos, entre eles os autores da mesma Declaração de Independência admirada por Martin Luther King Jr., ficariam chocados ao observar como a sociedade americana se tornou politizada, passando a tratar cada assunto sobre o qual há divergências como um problema federal a ser solucionado em Washington. O meio adotado pode ser muitas vezes contraproducente, afastando ainda mais o desejado fim.

Ron Paul explica que o governo exacerba o pensamento racista e ataca o individualismo, porque sua própria existência encoraja a organização das pessoas em linhas raciais para fazer lobby por benefícios e privilégios ao seu grupo. No fundo, isso vale não apenas para a questão racial, mas para todas as outras. Vemos os homossexuais se organizando para exigir privilégios também, e inúmeros outros grupos que ignoram o indivíduo para abraçar algum coletivismo qualquer. Mas o que deveria importar mesmo não é a preferência sexual, ou então a cor da pele de alguém, e sim seu caráter, sua conduta, seus valores e princípios. Uma pessoa pode ser íntegra ou não, e isso claramente não tem relação alguma com a cor da pele ou a preferência sexual.

É espantoso ter de repetir uma obviedade dessas em pleno século XXI, mas infelizmente essa obviedade ainda não é parte do senso comum, mesmo que seja puro bom senso. A mentalidade racista, que separa e julga pessoas usando como critério a cor da pele, ainda é uma triste realidade no mundo em que vivemos. E isso vale para ambos os lados, é importante lembrar. O regime de cotas é uma prova disso. Assim como a postura de muitos americanos dos guetos que “acusam” um negro de estar “agindo como branco” caso ele não aceite as regras locais de conduta, muitas vezes prejudiciais ao indivíduo. Se o negro do gueto rejeita as letras agressivas do rap ou a forma de falar do grupo, ele pode acabar sendo vítima da hostilidade dos demais, um ato claro de racismo com sinal invertido. No Brasil, o mesmo comportamento já pode ser observado em favelas, onde a vulgaridade do funk deve ser a norma seguida para merecer a aceitação do grupo.

Deixo a conclusão com Ron Paul (tradução livre): “Não devemos pensar em termos de brancos, negros, hispânicos, e outros grupos do tipo. Este tipo de pensamento apenas nos divide. O único pensamento ‘nós-versus-eles’ que podemos nos permitir é o de povo – todo o povo – versus o governo, que rouba e mente para todos nós, ameaça nossas liberdades, e rasga nossa Constituição”.

 

* Publicado originalmente em 12/11/2008.

A nova onda de controle de preços na América Latina

URL: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1582


hugo-chavez-cristina-kirchner_2.jpgA Argentina, país que nunca se cansa de tentar reinventar as leis econômicas, vem vivenciando o mesmo dilema da Venezuela. Os preços da gasolina e dos bens nos supermercados estão congelados. Segundo o governo, a inflação de preços é de 10% ao ano.  Mas nenhum argentino acredita nisso.  Estatísticas independentes afirmam que a inflação de preços está na casa dos 30% ao ano.  No mercado negro, o valor do dólar é 60% maior do que o câmbio oficial, controlado pelo governo.  Isso coloca a inflação de preços implícita da Argentina em mais de 70%.

Os argentinos praticamente não poupam seus pesos.  Assim que eles recebem pesos, eles gastam para se livrar deles.  Segundo estimativas de 2010, mais de 50% das famílias argentinas não utilizam o sistema bancário, certamente traumatizadas pelo corralito de 2001/2002.  Elas poupam em dólares e guardam este dinheiro ou dentro de casa ou em bancos no exterior.

Justamente por isso, o governo argentino está fechando o cerco, dificultando ao máximo a compra de dólares.  Quem é pêgo transacionando dólares nas ruas pode ir preso.  Isso empurrou as operações literalmente para o subterrâneo.

Governo do Brasil lidera pedidos de remoção de conteúdo ao Google - Convergência Digital

URL: http://news.google.com/news/url?sa=t&fd=R&usg=AFQjCNGNmnCg5m_JcGiAght8sZg1ST24jA&url=http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid%3D33594%26sid%3D4



Adrenaline

Governo do Brasil lidera pedidos de remoção de conteúdo ao Google
Convergência Digital
Novo relatório de transparência divulgado nesta quinta-feira, 25/4, pelo Google, mostra forte aumento nos pedidos de remoção de conteúdo feitos por entidades governamentais no segundo semestre do ano passado. E o grande destaque é o Brasil, com ...
Brasil lidera pedidos de remoção de conteúdo do GoogleCorreio do Estado
Políticos lideram reclamações de conteúdo do Google no BrasilAdrenaline
Brasil fica em 1º lugar em pedidos de remoção de conteúdo no ...Globo.com
Tecmundo
todos os 5 artigos »

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Servidor do Senado ganha R$ 8,5 mil para servir cafezinho - Terra Brasil

URL: http://news.google.com/news/url?sa=t&fd=R&usg=AFQjCNEpGpFWEFw2umsjNu_raVuVuiPa7g&url=http://noticias.terra.com.br/brasil/politica/servidor-do-senado-ganha-r-85-mil-para-servir-cafezinho,12264cea0dc3e310VgnVCM3000009acceb0aRCRD.html



PBAgora - A Paraíba o tempo todo

Servidor do Senado ganha R$ 8,5 mil para servir cafezinho
Terra Brasil
Com uma equipe de garçons com salários até 20 vezes maiores do que o piso da categoria em Brasília, o Senado tem servidores que ganham R$ 8,5 mil para servir cafezinho. Segundo reportagem do jornal O Globo, publicada nesta quarta-feira, sete ...
Garçons do Senado recebem salário de até R$ 15 milO Documento
Garçons recebem até R$ 15 mil de salário por trabalho no SenadoO POVO Online
Sete garçons do Senado recebem entre R$ 7 mil e R$ 14,6 mil, diz ...Ibahia.com
PBAgora - A Paraíba o tempo todo -SRZD
todos os 5 artigos »

Para fugir de medidas do governo, argentinos recorrem ao bitcoin - InfoMoney

Em cenário de inflação galopante, investir dinheiro em outras
atividades é essencial para manter o patrimônio --
http://cur.lv/r30u


--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Empresário quer lançar em Chipre 1º caixa eletrônico do mundo para a moeda virtual bitcoin - Jornal O Globo

Equipamento seria alternativa aos bancos cipriotas, que impuseram
limites de saque aos correntistas em meio à crise --
http://cur.lv/r308


--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

TJ-SP reforma decisão que proibia advogado de usar redes sociais

URL: http://www.conjur.com.br/2013-abr-23/tj-sp-reforma-decisao-proibia-advogado-usar-redes-sociais


Após duas semanas ausente, o advogado Cassius Haddad está de volta ao Twitter e ao Facebook. O Tribunal de Justiça de São Paulo mudou parcialmente a decisão da 2ª Vara Criminal de Limeira, que o impedia de acessar qualquer rede social. Na sentença de 1ª instância, foi definido que os provedores e...

terça-feira, 23 de abril de 2013

Contrato feito após ida de Lula à Costa Rica é investigado

URL: http://redir.folha.com.br/redir/online/poder/rss091/*http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/04/1266493-contrato-feito-apos-ida-de-lula-a-costa-rica-e-investigado.shtml


Licitações vencidas por construtoras brasileiras no exterior para execução de obras que tiveram o apoio de Luiz Inácio Lula da Silva são investigadas por suspeita de corrupção e irregularidades. Na semana passada, o chefe do Ministério Público da Costa Rica, Jorge Chavarría, determinou a abertura de investigação sobre a concessão, por 30 anos, da rodovia mais importante do país à OAS, que desembolsará US$ 524 milhões. Estima-se que ela recupere o valor em cinco anos e arrecade US$ 4 bilhões na vigência do contrato. O Ministério Público investigará se houve tráfico de influência e enriquecimento e associação ilícitos. O inquérito se baseia em petição de advogados, segundo a qual o contrato tem "a finalidade de enriquecer a OAS". Leia mais (22/04/2013 - 01h45)

Brasil cresce em produção científica, mas índice de qualidade cai

URL: http://redir.folha.com.br/redir/online/ciencia/rss091/*http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2013/04/1266521-brasil-cresce-em-producao-cientifica-mas-indice-de-qualidade-cai.shtml


A produção científica brasileira, medida pela quantidade de trabalhos acadêmicos publicados em periódicos especializados, está em ascensão. Mas a qualidade dos trabalhos não acompanha o ritmo. O cenário foi encontrado em informações tabuladas pela Folha a partir da base aberta de dados Scimago (alimentada pela plataforma Scopus, da editora de revistas científicas Elsevier). Ela traz números da produção científica de 238 países. Volume de publicação é critério para distribuir recursos a pesquisadores
Análise: Internacionalização é desafio para melhorar qualidade da ciência nacional Leia mais (22/04/2013 - 03h10)

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Education Is NOT The Same As Schooling

Globo teve R$ 5,9 bi de propaganda federal desde 2000 - Política - UOL Notícias

http://cur.lv/q62u

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Aparato estatal de notícias custa R$ 900 milhões

Estrutura de imprensa emprega mais de 3.600 profissionais e se divide
em três eixos que incluem TV Brasil, NBR e assessorias terceirizadas --
http://cur.lv/q5yi


--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

What Bitcoin Is Teaching Us | Laissez-Faire Bookstore

http://cur.lv/pzez

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

G1 - Deficiência estrutural nas ferrovias e portos faz Brasil desperdiçar bilhões - notícias em Brasil, quem paga é você

Brasil produz muito, mas não tem condições de entregar nos prazos por
conta de falhas no transporte. Investimentos previstos chegam a 28
milhões. --
http://cur.lv/pyl2


--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

sábado, 20 de abril de 2013

The Target Value For Bitcoin Is Not Some $50 Or $100. It Is $100,000 To $1,000,000. - Falkvinge on Infopolicy

This leads us to a target market cap of 600 billion to 6 trillion USD,
to be fulfilled by about 6 million bitcoin, which makes for easy
calculations. That means that each bitcoin would be worth $100,000 at
the low market cap and $1,000,000 at the high market cap. --
http://cur.lv/ph3n

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Fw: Dilma e Cristina vão debater fuga de empresas brasileiras da Argentina

Quem vai querer investir na Argentina? Só se for masoquista,
afinal há cada vez menos liberdade econômica lá.

URL: http://cur.lv/pgyc

A debandada de investimentos brasileiros da Argentina deve ser o
principal assunto da reunião presidencial entre Dilma Rousseff e
Cristina Kirchner, em Buenos Aires, no próximo dia 25. Nos últimos
meses, a Vale anunciou a suspensão de um megainvestimento em Mendoza, a
Petrobras Argentina entrou em processo de venda e a Deca anunciou a sua
saída do país. Outras empresas também avaliam se vale a pena continuar
no país vizinho. "A tendência agora é que projetos sejam suspensos ou
interrompidos. Enquanto permanecer a incerteza com relação ao câmbio e
a alta inflação, isso não deve mudar", diz Marina Dal Poggetto, da
consultoria Estudio Bein. Leia mais (20/04/2013 - 22h00)

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

A cada 15 minutos, uma família é despejada na Espanha - YouTube

http://cur.lv/pgs5

"Argentinização da Espanha" é o melhor termo para definir o que
acontece. De socialista em socialista a Espanha vai se afundando...

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

How to not pay taxes

Com Senado vazio, garçon faz dublê de parlamentar para não deixar senador falando sozinho - Blog de Jamildo

http://cur.lv/pcl8

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Novo escândalo do PT envolve líder do governo na Câmara

URL: http://www.implicante.org/noticias/novo-escandalo-do-pt-envolve-lider-do-governo-na-camara/


5351903479 ea3f1d40a2 z 600x333 Novo escândalo do PT envolve líder do governo na Câmara

Uma turminha do barulho que apronta altas confusões

Matéria da Folha de S. Paulo:

O líder do governo DIlma Rousseff na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), é apontado por um lobista apanhado em operação da Polícia Federal como responsável por direcionar verbas para empresas que financiavam candidatos do PT.

Além disso, um ex-chefe de gabinete de Chinaglia, identificado como Eli, é citado como intermediário de uma reunião na qual a empreiteira Leão Leão buscaria recursos do BNDES. Em troca da verba, a empreiteira apoiaria a campanha de um assessor de Chinaglia, o Toninho do PT, em Ilha Solteira (SP).

Chinaglia aparece em escutas da Operação Fratelli, do Ministério Público Federal e do Estadual. Os alvos da operação são fraudes em licitações que somam R$ 1 bilhão em dinheiro federal.

As verbas, oriundas de emendas parlamentares, eram dos ministérios das Cidades e do Turismo.

Nas escutas telefônicas há menções a três deputados do PT na operação: além de Chinaglia, Cândido Vacarezza e José Mentor.

Os petistas são autores das emendas sob suspeita. Todos dizem que não têm ligação com as supostas fraudes.

O procurador Thiago Lacerda Nobre vai encaminhar os trechos da investigação sobre Chinaglia ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Também serão enviadas as menções a Vacarezza e Mentor.

CAMPANHA

O suspeito que cita Chinaglia é Gilberto Silva, também conhecido como Zé Formiga, acusado pela polícia de ser “lobista do PT”, segundo os documentos obtida pela Folha.

Silva, que ficou uma semana preso, foi monitorado pela polícia e, de acordo com o relatório das investigações, acompanhou Chinaglia em “campanhas eleitorais, principalmente na captação de dinheiro junto a empresários que pudessem se beneficiar de seus candidatos apadrinhados”.

O lobista afirma numa conversa telefônica de outubro de 2012, sem se referir a nomes, que o autor da emenda indicará à prefeitura a empresa que fará a obra contemplada pela verba que liberou. “Tem de aceitar quem vai executar a obra por indicação de quem arrumou a emenda”.

Noutra conversa, ele relata que Chinaglia “vai ter R$ 50 milhões de emendas extraparlamentares prometidos pela presidente Dilma porque ele é líder dela na Câmara”.

Na sequência, ele conta, segundo a PF, “que o deputado [Chinaglia] lhe falou que em cidade pequena podem ser colocadas emendas de R$ 130 mil ou até R$ 140 mil, e daí foge da licitação”.

O próprio Silva diz ser petista. Em setembro do ano passado, contou: “Eu estou aguardando um assessor do Arlindo Chinaglia, porque eu trabalho com eles, eu faço parte do PT”.

Noutro telefonema, ele cita que esteve em São José do Rio Preto com Chinaglia e o assessor Toninho, hoje vereador em Ilha Solteira.

As obras eram sobretudo de recapeamento asfáltico, chamadas pelos investigados de “chão preto”.

Os promotores reproduziram a fala de Silva ao usar a metáfora para asfalto.

“O Toninho e o Arlindo teve comigo sábado à tarde. Rapaiz do céu, se ocê vê o que ele tem de chão preto, já tá tudo na mão”.

(grifos nossos)

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Neurônio inflacionário

URL: http://feedproxy.google.com/~r/augustonunes/~3/2KFShdLIb8g/


"E eu quero adentrar pela questão da inflação e dizer a vocês que a inflação foi uma conquista desses dez últimos anos do governo do presidente Lula e do meu governo".

Dilma Rousseff, na cerimônia da promessa da produção nacional da insulina, ontem, às vésperas de se queixar de nova e injustificável manipulação de suas declarações pela mídia

Liberdade Econômica na África

A diferença entre Botswana (30º lugar em liberdade econômica) e Zimbabwe (175º lugar em liberdade econômica).

domingo, 14 de abril de 2013

Um metrô que dá dinheiro

Ao transformar estações em shopping centers, a companhia de metrô de
Hong Kong consegue o que parecia impossível: operar sem ser um peso
para o governo. Eis um exemplo a ser copiado --
http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1037/noticias/um-metro-que-da-dinheiro?page=1


--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Charge de duke (14/04)

Bitcoin Miners Are Racking Up $150,000 A Day In Power Consumption Alone

URL: http://feedproxy.google.com/~r/Techcrunch/~3/sg74qTw0FY4/


bitcoins

There’s a gold rush going on these days, or a Bitcoin rush, at least. Driven by the recent swings in the value of a Bitcoin, more and more people are learning about and becoming interested in the currency. While they could just buy Bitcoins at the current market rate, others are looking to try their luck at mining Bitcoins. And like prospectors who traveled west during the Gold Rush of the 19th century, many Bitcoin miners will find that they spend more on chasing the Bitcoin dream than they’ll ever hope to win back.

As explained here, Bitcoins are “mined” by unlocking blocks of data that “produce a particular pattern when the Bitcoin 'hash' algorithm is applied to the data.” It seems simple enough, but the cost of Bitcoin mining is greater than one might expect. The more Bitcoins are mined, the more difficult it becomes to find the next block. Unless the miner is using the latest specially-designed mining rigs, the computers used often sport high-end graphics cards (since the GPUs are more efficient than CPUs for mining application). And running those computers requires a lot of power.

Blockchain.info, which tracks Bitcoin-related data, estimates that miners are using 1,005.59 megawatt hours of electrical consumption each day in their pursuit of new blocks of Bitcoins. That ends up costing about $150,000 in power costs each day to mine the currency. [Hat tip to Bloomberg for reporting on the data.]

That may sound like a lot, but miners on average are making money. According to Blockchain, miners are generating $470,000 in Bitcoin-related revenue per day. In fact, due to the recent interest in the virtual currency and its popularity, operating margins for Bitcoin miners are close to record highs.

While it might be easy to look at those numbers and think it’s NBD to just like, extract value out of thin air, Bitcoin mining isn’t as lucrative as it seems. Regular users hoping to use their regular computers to mine shouldn’t expect to just start making money by setting aside a few compute cycles to dig up Bitcoins. That’s generally reserved for special mining computers that do nothing BUT mine for Bitcoins using custom encryption processors.

As Biggs points out in his article, “While you could simply set a machine aside and have it run the algorithms endlessly, the energy cost and equipment deprecation will eventually cost more than the actual Bitcoins are worth.” That’s been confirmed by my colleague Matt Burns, who wrote in our internal message board that “after mining for a few days, the energy required to run my computer at full tilt was far greater than the Bitcoins I mined.”

Even if you do choose to pool your resources to mine, it’s a fairly complicated process, even for tech-savvy users. Check out the aforementioned article by Biggs for how he connected his home PCs into a Bitcoin-mining pool.

The alternative is to just buy specialty hardware designed to do nothing but mine for Bitcoins. Like any other investment, the return isn’t assured, and likely will be based on how Bitcoin market takes shape as time goes on. But right now, as with most gold rushes throughout history, it’s those who are supplying the miners that are find the real riches.


sábado, 13 de abril de 2013

Ex-auditora acusa tribunais de contas de conivência

URL: http://feedproxy.google.com/~r/congresso/~3/gjF6-QbI2ZQ/


Vice-presidente de ONG que propôs à CGU extinção das cortes de contas diz que órgãos não têm cultura de combate à corrupção e são perigosos para a sociedade. Grupo vai levar proposta a frente parlamentar

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Como o governo gera inflação (e prejudica você)

Roseana Sarney vai receber salário vitalício de R$ 20,9 mil do Senado - Terra Brasil

http://noticias.terra.com.br/brasil/politica/roseana-sarney-vai-receber-salario-vitalicio-de-r-209-mil-do-senado,23de7111f0efd310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

Outra vagabunda.

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Fw: Gêmeos do Facebook viram magnatas das bitcoins

URL:
http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/gemeos-do-facebook-viram-magnatas-das-bitcoins

Os gêmeos Winklevoss, conhecidos pelo conflito com Mark Zuckerberg
retratado no filme "A rede social", dizem que têm 11 milhões de dólares
em bitcoins

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Brazil Australia As Perguntas mais Feitas no Blog sobre a Austrália - Brazil Australia

De cada 10 perguntas que recebo por e-mail, 2 são recorrentes e a cada
semana recebo uns 20 emails com estas mesmas perguntas: A primeira é:
Posso ir para a Austrália estudar inglês com um visto de turista? E a
segunda é: Me passaram um orçamento da escola TAL (geralmente uma
escola muito boa), mas...

URL: http://www.brazilaustralia.com/perguntas-mais-feitas-no-blog/

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Fw: A irresistível força da concorrência de mercado

URL: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1572

As políticas antitruste tradicionalmente reprovam (e com frequência
proíbem) fusões entre duas empresas que até então eram concorrentes.
Na perspectiva convencional, o raciocínio por trás disso é óbvio e
plausível: substituir duas empresas que concorrem entre si por uma
maior não pode representar outra coisa que não uma redução no grau de
concorrência do mercado (na definição convencional do termo). Duas
empresas menos poderosas foram substituídas por uma mais poderosa.

Mas a visão austríaca ensina que tal fusão, contanto que a potencial
entrada de outros no mercado não tenha sido e não venha a ser bloqueada
artificialmente, é um ato concorrencial; impedi-lo significa obstruir a
maneira pela qual a concorrência de mercado descobre o tamanho ótimo
das empresas e com isso um menor custo de produção. (Mesmo que haja uma
única empresa atendendo todo um setor da economia, enquanto essa
empresa estiver restringida pela potencial ameaça de novas entradas no
seu setor ou pela concorrência -- ou ameaça de concorrência -- de
empresas que produzam mercadorias alternativas, tal setor ainda estará
operando concorrencialmente).

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

A Política do Dislike

URL: http://www.ordemlivre.org/2013/04/dislik/


Comunidades e curtidas no Facebook prometem mudar o mundo, mas mudam mais sua timeline. Curtir a página Close Guantanamo não demonstra que você possui um projeto viável para o seu fechamento, nem liberta um único preso, apenas sinaliza que você é contra o modelo de detenção implementado pelos Estados Unidos naquela prisão. Cliques sinalizam os seus gostos, os seus desejos, as suas ideias e pouco mais.

A política brasileira tem sua própria forma de sinalizar intenções e inclinações off-line. A internet e cobertura jornalística 24 horas por dia coloca os políticos sob pressão constante. Eles precisam reagir a tudo. Precisam responder às demandas. Precisam fazer alguma coisa. Quando um acontecimento choca a população, não se espera que os políticos apareçam pedindo calma. Espera-se que digam que o problema será solucionado, imediatamente, mesmo quando se sabe que a solução em curto prazo é impossível.

Alimentada pelos dois lados, essa relação traz problemas para os políticos e para a população. Em campanha, os políticos apresentam seus superpoderes, capazes de criar empregos, resolverem questões econômicas complexas, e acabar com a violência nas cidades. Depois de eleitos, eles encontram dificuldades para explicar a implementação de projetos cujos resultados só aparecerão em longo prazo. Carentes de soluções, é natural que moradores de uma área violenta tenda a votar em alguém que lhes prometa acabar com a violência e que cobre soluções de curto prazo.

No mercado de políticas paliativas, a demanda por providências por parte da população gera uma oferta de medidas paliativas, de pouco efeito, mas que dão aos eleitores a impressão de que algo está sendo feito para aliviar as suas preocupações. Quando não há soluções disponíveis e a população demanda alguma ação, resta aos políticos sinalizar.

Há pouco mais de uma semana, um casal de estrangeiros foi vítima de um crime no Rio de Janeiro. Eles passaram cerca de seis horas em poder criminosos em uma van. O veículo já tinha sido utilizado pelo grupo para cometer o mesmo tipo de crime. Com a repercussão na imprensa internacional, a polícia agiu rápido para prender a quadrilha.

Chocada, a população pediu providências. E o governo, incapaz de prover soluções imediatas para a violência, ofereceu a proibição do uso de películas escuras nos vidros das vans do Transporte Especial Complementar. A redução da violência é uma política de longo prazo, mas no curto prazo os políticos precisam fazer alguma coisa.

Então eles apertam o botão deslike. Não curtem. Sinalizam que não gostam de um fato impondo uma legislação que, como a curtida na Close Guantanamo, é apenas um sinal, sem custo nem efeito prático. Reconhecem a existência do problema e, mesmo sem um plano concreto para lidar com ele, acenam com uma ação qualquer.

Lembram da proibição à garupa nas motos para diminuir os assassinatos? Da proibição do uso de celulares e equipamentos eletrônicos em estabelecimentos que tenham caixas eletrônicos para diminuir os assaltos? E a proibição de cadeiras e mesas sobre bueiros no Rio de Janeiro para diminuir o número de feridos em explosões? Pouco se sabe sobre o efeito dessas leis sobre a criminalidade em seus estados. O que sabemos é que o dia a dia de pessoas comuns, sem nenhuma relação com o crime, foi afetado por essas medidas.

O estado do Rio de Janeiro registrou 6 mil casos de estupro no ano passado. A proibição às películas nos vidros das vans envolvidas no transporte público expõe os passageiros ao sol e ao calor, mas não ataca mais de 99% desses casos.

No mercado de políticas paliativas, há sempre uma proibição em oferta para nos dar a ilusão de que nós não precisamos mais nos preocupar com problema algum.

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Crise energética torna Coreia do Norte "invisível" à noite - EXAME.com

Imagem feita por satélite mostra a falta de infraestrutura energética
de um país que optou pelo uso militar da energia nuclear em detrimento
do uso civil para geração de eletricidade --
http://cur.lv/o2os

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Ensino no Brasil freia adaptação ao mundo digital - EXAME.com

Informe do Fórum Econômico Mundial aponta que o país subiu apenas da
65.ª para a 60.ª posição entre as nações mais preparadas para
aproveitar as novas tecnologias --
http://cur.lv/m6ot

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Shikha Dalmia: 5 Reasons Why Low Skilled Immigrants are Good for the Eco...

Financiamento voluntário do esporte (para atletas)

http://cur.lv/m5mm

Novo site (Pódio Brasil) de financiamento voluntário
(como o vakinha), voltado para os atletas. Divulgando, para quem se
interessar por esporte...

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Fw: Uruguai é considerado país mais liberal da América do Sul

URL:
http://cur.lv/m4wf

Além de aprovar a igualdade de casamento entre homossexuais e
heterossexuais, o país legalizou o aborto e analisa a possibilidade de
descriminalizar a maconha

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Inflação cai na boca do povo - economia - geral - Estadão

Inflação cai na boca do povo - economia - geral - Estadão

terça-feira, 9 de abril de 2013

DITADURA: Geraldo Julio sanciona lei que obriga rádios do Recife a tocarem frevo - Blog de Jamildo

http://cur.lv/lzyp

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Brasil ocupa o 100º lugar em ranking de liberdade econômica

URL: http://veja.abril.com.br/noticia/economia/brasil-ocupa-o-100o-lugar-em-ranking-de-liberdade-economica


Levantamento analisa dez questões para compor o índice, como a liberdade fiscal, empresarial, trabalhista, monetária, do comércio, do investimento e a financeira, além do direito de propriedade, combate à corrupção e o tamanho do governo na economia de cada país

Fw: Justiça proíbe advogado que criticou MP de acessar redes sociais

Ou seja, o advogado se humilha pois se submete a uma ditadura
(democracia). Deveria rasgar o diploma e mandar todos para a PQP.

URL:
http://www.conjur.com.br/2013-abr-09/justica-proibe-advogado-criticou-mp-acessar-redes-sociais
O juiz Henrique Alves Correa, da 2ª Vara Criminal de Limeira, proibiu o
advogado Cássius Haddad, que atua no município, de acessar redes
sociais, como o Facebook e o Twitter. O advogado postou na internet
críticas à atuação do promotor Luiz Bevilacqua, que o processou na
esfera cível e criminal, ...

--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

quinta-feira, 4 de abril de 2013

O que o índice oficial de desemprego esconde...

A metodologia utilizada para medir o desemprego é tão importante para o
resultado final que basta comparar os dados do IBGE com os do DIEESE
para ter noção do tamanho do impacto metodológico. Enquanto naquele o
desemprego ultimamente ronda a casa dos 5%, neste fica em torno de 10%.
Isso mesmo. Uma instituição aponta o dobro de desocupados no Brasil do
que a outra. Percebe-se que a metodologia aplicada não é só um detalhe.
Fica o velho ditado: "dados estatísticos são como biquíni: o que mostra
é interessante, mas o que esconde é fundamental. --
http://www.tribunadoceara.com.br/blogs/atlas/desemprego/uau-nao-temos-desempregados-mas-isso-nao-e-necessariamente-bom/


--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Uruguai: governo diz que número de abortos diminuiu após descriminalização - Terra Brasil

Segundo o governo, os dados preliminares apontam entre 300 e 400
abortos por mês no país --
http://noticias.terra.com.br/mundo/america-latina/,ef6beaf4539ad310VgnVCM10000098cceb0aRCRD.html


--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Charge de rico (04/04)

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Integrantes do primeiro escalão do governo estão preocupados com o escândalo do “feirão da Petrobras”

URL: http://ucho.info/integrantes-do-primeiro-escalao-do-governo-estao-preocupados-com-o-escandalo-do-%e2%80%9cfeirao-da-petrobras%e2%80%9d


Barril de pólvora – O chamado "Feirão da Petrobras", balcão de negócios em que a estatal petrolífera está se desfazendo de empresas por dez por cento do valor tem todos os ingredientes para se transformar em um escândalo de grandes proporções e abalar as estruturas da campanha antecipada de Dilma Rousseff pela reeleição. O imbróglio [...]

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Fw: Estatais paulistas respondem por metade dos gastos do governo com propaganda

Gasto inútil.

URL:
http://estadao.feedsportal.com/c/33043/f/534107/s/2a321bf5/l/0L0Sestadao0N0Bbr0Cnoticias0Cnacional0Hestatais0Epaulistas0Erespondem0Epor0Emetade0Edos0Egastos0Edo0Egoverno0Ecom0Epropaganda0H10A153860H0A0Bhtm/story01.htm
Em dez anos de governo Alckmin e Serra, administração direta e empresas
desembolsaram R$ 2,44 bilhões, com participação cada vez maior das
companhias



--
Linux 3.8.0: Unicycling Gorilla
http://www.youtube.com/DanielFragaBR
http://www.libertarios.org.br

Cambalache - a história do colapso econômico da Argentina

URL: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1562


get.jpgA tragédia estava completa.  Os pobres estavam literalmente sem dinheiro.  A classe média não apenas estava com seu dinheiro preso nos bancos, como também este havia sido forçosamente desvalorizado.  Quem tinha depósitos em dólares -- e, em 2001, a maioria dos depósitos bancários era em dólar (47 bilhões de dólares contra 18 bilhões de pesos) -- viu sua poupança ser convertida em peso à taxa de 1,40 peso por dólar, sendo que o câmbio havia ido para quase 4 pesos.  Não bastasse a falta de dinheiro, a desvalorização cambial fez com que tudo encarecesse, gerando a inflação de 40%.  Todos os importados se tornaram virtualmente inacessíveis.  Pouco dinheiro e moeda sem nenhum poder de compra.

Inúmeras empresas faliram.  A qualidade de vida da população despencou.  Há relatos de que, na elegante Calle Florida, famílias de classe média, cuja poupança de toda uma vida havia sido confiscada pelo governo, abordavam turistas suplicando por dinheiro.  O desespero era grande porque até mesmo a compra de itens básicos, como leite, estava difícil.

Vários milhares de destituídos e desempregados se transformaram em cartoneros, catadores de papel.  Estatísticas afirmam que entre 30 e 40 mil pessoas passaram a revirar as ruas de Buenos Aires à procura do material.  Ainda mais impressionante foi a evolução -- ou, mais apropriadamente, a involução -- da porcentagem de pessoas abaixo da linha de pobreza na grande Buenos Aires.  Uma cifra que chegou a ser de 16,1% em maio de 1994 saltou para 54,3% em outubro de 2002, um valor ainda maior do que o do ano de 1989 (47,3%), quando o país vivia sob hiperinflação.  Em nível nacional, a pobreza chegou a 57,5% da população, a indigência a 27,5% e o desemprego a 21,5%, todos níveis recordes para o país.